CVM prorroga prazos de adaptação à nova regulamentação de fundos 

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou a Resolução CVM 200, que significa o adiamento dos prazos previstos na Resolução CVM 175 (novo marco regulatório dos fundos de investimento). Ele entrou em vigor no último dia 12 de março.

Dentre os motivos apresentados para a prorrogação, estão os desafios operacionais relacionados à reforma tributária.  
 
De acordo com o presidente da CVM, João Pedro Nascimento, a instituição segue aberta ao diálogo com os participantes do Mercado de Capitais.  
 
“A escuta ativa tem sido uma característica de nossa gestão na Autarquia, inclusive, de forma a prestigiar o bom funcionamento de nosso segmento”, afirmou. 

Novos prazos: 

Como a prorrogação afeta a sociedade? 

Gestores de fundos de investimento 
Com a prorrogação dos prazos, os gestores ganham mais tempo para ajustar suas estratégias de investimento e operações para estar em conformidade com as novas regulamentações, evitando penalidades. 

Investidores 
Uma vez que os gestores tenham se adaptado às mudanças regulatórias, os investidores são beneficiados por ganharem mais conhecimento sobre riscos e incertezas associados aos próprios investimentos.  

Consultores financeiros 
Já os consultores financeiros também terão mais tempo para orientar seus clientes sobre as implicações das novas regulamentações nos investimentos em fundos, ajudando com decisões mais informadas e estratégicas. 

Nós, da Acura Capital, reiteramos que as alterações não foram submetidas à análise de impacto regulatório.  
 
Isso porque o objetivo é somente incorporá-la na regulamentação do mercado de capitais comandos advindos da lei, tratando-se de uma regra hierarquicamente superior. 

Como a política monetária mundial está impactando a economia brasileira?  

A segunda quinzena de março de 2024 contou com importantes indicadores no cenário da economia internacional.

Diversos indicadores importantes para economia foram vistos nos últimos dias. Não apenas no Brasil, mas no mundo globalizado em que vivemos, acontecimentos ao redor impactam diretamente todos os pequenos sistemas.

Isso porque os indicadores significam mudanças na política de importações e exportações, e novas taxações podem ocorrer.

Nos Estados Unidos, por exemplo, será realizada a Reunião de Política Monetária, além da decisão sobre o patamar de juros. Teremos, também, a divulgação das projeções para as principais variáveis macroeconômicas.

"Esperamos que a taxa permaneça inalterada. Um ponto de destaque é o comunicado que deve manter um tom cauteloso. Em relação ao futuro, esperamos uma revisão altista para o crescimento em 2024, bem como uma revisão altista para o núcleo da inflação (PCE)", afirma André Carvalho, economista e diretor de portfólio da Acura Capital.

Ainda serão divulgadas as prévias dos PMIs de março. “É aguardado que o PMI do setor industrial recue de 52,2 pontos para 51,8 pontos, enquanto o Índice de Serviços caia de 52,3 pontos para 52,0 pontos” completa. 
  

Japão

Na Reunião de Política Monetária, as expectativas do mercado estão divididas, devido aos sinais contraditórios na economia.

Por um lado, temos um forte movimento de reajustes salariais e, por outro, os dados de consumo das famílias, que apontam um enfraquecimento.

“Acreditamos que a era de juros negativos no Japão será encerrada em breve, caso nesta reunião o Banco Central decida por aguardar ter acesso a mais dados”, adiciona Carvalho. 
  

Como escolher investimentos de curto e longo prazo? Especialista dá dicas 

Por Júlio César (Coordenador Comercial da Acura Capital) 

A escolha dos investimentos adequados para seus objetivos financeiros é importante, mas ainda mais é compreender a diferenciação entre curto e longo prazo. Enquanto no curto a liquidez é essencial, no longo, o potencial de valorização é o que deve ser considerado. 
 
Investimentos como títulos do tesouro e fundos de renda fixa são opções prudentes para curto prazo, já que proporcionam estabilidade e retorno previsível em um horizonte temporal breve. 
 
No entanto, ao considerar o longo prazo, a dica é - conforme já dito - buscar ativos que sejam valorizados ao longo do tempo. Afinal, ações de empresas sólidas e fundos de investimento de longo prazo podem oferecer crescimento substancial, aproveitando o poder dos juros compostos. Diversificação também é chave para mitigar riscos, distribuindo investimentos entre diferentes classes de ativos
 
Além disso, ao escolher investimentos de longo prazo, entenda sobre a tolerância ao risco. Investidores podem considerar ações mais voláteis, como tecnologia, para buscar retornos mais expressivos, desde que estejam dispostos a enfrentar oscilações no mercado. 
 
Dessa forma, mantenha uma abordagem equilibrada entre curto e longo prazo e ajuste a estratégia de acordo com as metas financeiras e as condições do mercado.  
Por exemplo: não deixe de avaliar regularmente seu portfólio com o alinhamento da alocação de ativos. O hábito pode otimizar os resultados ao longo do tempo, assegurando que a carteira esteja alinhada com os seus objetivos financeiros em evolução. 

Invista além das fronteiras: como explorar o mercado global?

Por Júlio César (Coordenador Comercial da Acura Capital)

Para expandir efetivamente a sua marca para o mercado global – algo desejado por cerca de 51% dos gestores até 2025, de acordo com dados da “Trajetória de Internacionalização das Empresas Brasileiras”, da Fundação Dom Cabral - é importante entender as nuances culturais e as demandas dos consumidores em diferentes regiões. E é claro que isso requer pesquisa detalhada sobre preferências locais, comportamentos de compra e concorrência. 

Para começar, a adaptação dos produtos e serviços para atender às necessidades específicas de cada mercado também deve entrar na conta, independente do nicho. Tais ajustes podem embalagem, marketing e até mesmo a funcionalidade para garantir relevância e aceitação local. 

Além disso, um ponto importante em qualquer lugar no mundo atual é ter uma presença online forte. Para alcançar consumidores globais, é preciso investir em estratégias de marketing digital, como SEO localizado, mídia social, publicidade online e até no auxílio da Inteligência Artificial. Com um time especializado, o resultado é o aumento da visibilidade da sua marca diante de muitos públicos. 
 
Com o acréscimo de parcerias estratégicas com empresas locais, sua entrada no mercado global também pode ser mais sutil. Isso porque, ao colaborar com negócios que já estão estabelecidos, é possível aproveitar conhecimentos, redes de distribuição e reputação para acelerar o seu crescimento. 
 
Logo, não se esqueça de incluir na lista a importância de uma comunicação aberta e adaptável com seus novos e antigos clientes! Ela pode abranger suporte multilíngue e canais de comunicação variados. 
 
Com uma mentalidade ágil e disposição para aprender e se adaptar constantemente, o dinamismo do mercado global permanece com as portas abertas. Afinal, as empresas que conseguem se ajustar rapidamente às mudanças são as que possuem maior probabilidade de sucesso a longo prazo. 

Investimentos de qualidade: A estratégia de sucesso de Terry Smith 

O mundo dos investimentos pode ser um terreno complexo e desafiador para muitos. Com tantas opções disponíveis e informações conflitantes, encontrar uma estratégia de investimento confiável parece uma tarefa complicada. No entanto, é possível encontrar sucesso em suas aplicações por meio de uma abordagem centrada na qualidade: a de Terry Smith. 

Terry Smith, fundador da Fundsmith, é um renomado gestor de fundos de investimento. Neste artigo, exploraremos os segredos de Terry Smith, analisando seus princípios e exemplos práticos de sua aplicação. 

A fórmula de sucesso de Terry Smith 

Com uma ótica de investimento simples, mas eficaz, Smith tem um histórico de resultados que têm despertado o interesse de muitos entusiastas e profissionais do mercado financeiro.  

Seus princípios fundamentais são:  

  1. Investir em empresas excelentes: O investidor enfatiza a importância de identificar empresas de alta qualidade que geram retornos consistentemente elevados sobre o capital investido. Portanto, entende que o alto retorno sobre o capital é um indicativo de que a organização está utilizando eficientemente seus recursos, superando o custo do capital e gerando valor para os acionistas. 
  1. Evitar pagar caro: Ao contrário de muitos investidores que buscam oportunidades de "market timing", Terry adota uma abordagem de longo prazo. Ele evita pagar preços excessivos por ações e, em vez disso, procura adquiri-las a preços justos. O mesmo acredita que boas oportunidades de compra surgem em momentos especiais, como durante crises do mercado ou quando empresas enfrentam dificuldades internas. Sua paciência e disciplina lhe permitem aproveitar essas oportunidades e obter resultados significativos a longo prazo. 
  1. Fazer menos é mais: Smith defende que uma ação constante pode ser contraproducente para o desempenho dos investimentos. Em vez disso, ele busca manter suas posições por longos períodos, desde que as empresas continuem sendo boas oportunidades de investimento. Ele também mantém uma das menores taxas de turnover da indústria, o que reduz os custos de transação e maximiza os retornos para os investidores. 

Seus investimentos são um exemplo de como a simplicidade e a disciplina podem gerar resultados surpreendentes no mercado financeiro. Assim, se você está buscando investir, conte com o suporte de especialistas.  

Por isso, a equipe da Acura Capital, está pronta para auxiliá-lo na construção de uma estratégia de investimento sólida. Entre em contato conosco hoje mesmo e descubra como podemos ajudar a alcançar seus objetivos financeiros. 

A Inteligência Artificial revoluciona o mundo dos investimentos 

Já não é uma novidade para ninguém que o mundo da tecnologia está evoluindo rapidamente e uma prova disso é a Inteligência Artificial (IA) Generativa. Ela tem causado um grande impacto em diversos setores e não poderia ser diferente na indústria financeira. 

Neste artigo, você conhecerá as maneiras como a IA generativa está revolucionando o mercado financeiro. 

Qual é o papel da Inteligência Artificial no mercado financeiro? 

IA, ou Inteligência Artificial, é uma ferramenta emergente e abundantemente utilizada no mercado financeiro para melhorar a eficiência, precisão e personalização dos serviços financeiros. Ela permite que as instituições financeiras processem grandes quantidades de dados de forma rápida e precisa, o que pode ajudar a identificar tendências e oportunidades de investimento. 

Então, é versátil e se aplica em funções como análise de risco de crédito, na detecção de fraudes, na gestão de portfólio e na negociação de ações. Por exemplo, ela é capaz de analisar dados de crédito e histórico de pagamentos para determinar a probabilidade de um cliente pagar suas dívidas. O que auxilia as instituições financeiras a tomar decisões mais informadas sobre a concessão de crédito. 

Além disso, a IA também detecta fraudes financeiras, analisando padrões de transações e identificando atividades suspeitas. Seu papel na gestão de portfólios é, ainda, auxiliar os investidores a identificar oportunidades baseadas em dados históricos e tendências de mercado. 

Não é de surpreender que empresas que incorporam a IA em seus processos estejam à frente no jogo competitivo do mercado. 

Desafios da IA na área financeira 

Embora a IA traga diversos benefícios ao setor financeiro, também traz desafios para seus usuários, tais como:

Perspectivas futuras... 

Portanto, a IA já está transformando o mercado financeiro, mas as perspectivas futuras estão cada vez maiores. À medida que a tecnologia continua a evoluir, espera-se que ela tenha um impacto ainda maior na forma como os serviços financeiros são prestados e gerenciados. Inclua essa perspectiva nas suas estratégias!

Hedge Funds: o que é, estratégias e riscos associados 

Descubra a nova fronteira dos investimentos: os Hedge Funds. 

Com seu potencial de gerar retornos significativos, eles têm se destacado no cenário financeiro, e se tornado cada vez mais proeminentes no cenário dos investimentos. Assim, capturando a atenção de investidores em busca de oportunidades financeiras diferenciadas.  

Os mesmos se diferenciam de outros tipos de investimentos devido a algumas características específicas, como: maior flexibilidade e liberdade para adotar diferentes estratégias de investimento, entre outras. 

E ao decorrer deste blogpost, você descobrirá: 

O que são Hedge Funds? 

Hedge Funds são fundos de investimento privados, administrados por gestores profissionais, que têm como objetivo gerar retornos acima da média do mercado. Sendo conhecidos por sua flexibilidade em relação às estratégias de aplicação adotadas e por sua capacidade de gerenciar riscos de forma ativa. 

Diferentemente dos fundos de investimento tradicionais, os Hedge Funds se destinam a investidores sofisticados com menos restrições regulatórias. Isso lhes confere maior liberdade para explorar uma ampla gama de instrumentos financeiros, como ações, títulos, derivativos, moedas e commodities. 

Assim, já que você compreendeu o conceito de Hedge Funds e sua flexibilidade estratégica, chegou a hora de saber um pouco mais sobre suas estratégias de investimento.  

Estratégias de investimento

Os Hedge Funds utilizam uma variedade de estratégias, cada uma com seus próprios objetivos e abordagens.  

Aqui estão algumas das estratégias mais recorrentes: 

  1. Long/Short Equity 

Essa técnica envolve tomar posições tanto compradas (long) quanto vendidas (short) em ações, com o objetivo de lucrar tanto com a valorização quanto com a desvalorização dos ativos. Então, pode ser interessante para investidores que desejam aproveitar oportunidades de lucro tanto em momentos de alta quanto de queda do mercado de ações. 

  1. Event-Driven  

Vinda dos gestores, é uma estratégia que consiste na busca do lucro com eventos específicos, como fusões e aquisições, reestruturações corporativas ou situações de distorção de mercado. Pode ser atrativa para aqueles que buscam obter retornos a partir de eventos corporativos ou situações de mercado específicas. 

  1. Global Macro 

Os Hedge Funds que seguem essa tática buscam lucrar com mudanças nas tendências macroeconômicas globais, como taxas de juros, políticas monetárias, flutuações cambiais e eventos geopolíticos. Essa abordagem, por sua vez, é voltada para investidores que desejam aproveitar as mudanças nas tendências econômicas globais. 

  1. Arbitragem 

Já esse método, envolve explorar discrepâncias de preço entre ativos relacionados, comprando o ativo mais barato e vendendo o mais caro, buscando lucrar com a convergência dos preços. E a estratégia de Arbitragem pode ser interessante para aqueles que desejam explorar diferenças de preço entre ativos relacionados. 

Cada investidor possui necessidades e objetivos únicos. Por isso, a Acura Capital tem o compromisso de estudar o caso de cada empresa e entender suas particularidades, para assim recomendar a estratégia de investimento mais adequada.  

No entanto, após compreendermos as suas diferentes estratégias de investimento, é importante estar ciente dos perigos associados a ele.  

Riscos associados aos Hedge Funds 

Embora os Hedge Funds ofereçam oportunidades de alto retorno, é importante estar ciente de seus riscos associados.  

Alguns dos riscos comuns incluem: 

Risco de mercado: Os Hedge Funds estão sujeitos às flutuações do mercado, e as estratégias adotadas pelos gestores podem não funcionar conforme o esperado em certos cenários de mercado. 

Risco de alavancagem: Muitos fundos multimercado usam alavancagem, o que significa que eles tomam emprestado dinheiro para ampliar suas posições. Apesar de o impulsionamento potencializar os ganhos, também intensifica os riscos e pode resultar em prejuízos substanciais.  

Risco de liquidez: Alguns Hedge Funds têm restrições quanto à retirada de fundos, o que pode levar a dificuldades de liquidez em períodos de estresse do mercado. Os investidores devem estar cientes das políticas de resgate antes de investir. 

Risco de gestão: A performance dos mesmos está diretamente ligada às habilidades e experiência dos gestores. Maus resultados devido a decisões inadequadas de investimento ou falhas na gestão dos riscos podem afetar negativamente os retornos. 

Em suma, a praticidade oferecida pelos Hedge Funds é um dos principais motivos pelos quais muitos investidores optam por investir nessa forma de investimento. No entanto, se você está interessado em explorá-los, a Acura Capital está aqui para ajudar. Nossa equipe de especialistas em investimentos pode orientá-lo sobre as melhores oportunidades, levando em consideração seu perfil de risco e metas financeiras.  

Entenda como funcionam as estratégias de hedge avançadas 

No complexo mundo dos investimentos, a volatilidade do mercado é uma constante que pode deixar até mesmo os investidores mais experientes em estado de alerta. Nesse cenário, as estratégias de hedge desempenham um papel importante, oferecendo proteção e estabilidade para os seus investimentos.  

A seguir, exploraremos estratégias de hedge avançadas que vão além das técnicas tradicionais. 

Compreendendo as estratégias de hedge: uma breve recapitulação 

Antes de mergulharmos no tema de hoje, é importante revisitar o conceito de hedge em si. Em essência, é uma técnica que visa proteger a carteira/portfolio/investimentos de eventos que podem causar perdas significativas. Além disso, reduz a volatilidade, trazendo um investimento em ativos, sejam futuros, opções, swaps. 

Assim, a estratégia de hedge tem como objetivo, anular as possíveis perdas. 

Pensando nisso, separamos algumas estratégias de hedge avançadas para te apresentar: 

1. Opções de venda (Put Options) 

As opções de venda são um dos instrumentos de hedge mais poderosos disponíveis para os investidores avançados. Elas oferecem o direito, mas não a obrigação, de vender um ativo subjacente a um preço predeterminado, conhecido como preço de exercício.  

Se os preços do ativo caírem, o investidor pode exercer a opção de venda, vendendo o ativo a um preço superior ao preço de mercado atual. 

Essas opções são particularmente úteis em cenários de possíveis quedas do mercado de ações, permitindo que os investidores protejam seus portfólios contra perdas significativas.   

2. Futuros financeiros com estratégias de hedge

Os futuros financeiros são contratos que obrigam as partes a comprar ou vender um ativo a um preço predeterminado em uma data futura. Eles são frequentemente usados como instrumentos de hedge para proteger contra flutuações de preços em commodities, moedas e índices. 

Investidores avançados podem usar futuros financeiros para proteger seus investimentos, mantendo posições longas ou curtas em ativos correlacionados. Dessa forma, possibilita a neutralização do risco de mercado e a estabilização em seus portfólios. 

3. Estratégias de opções complexas 

Investidores avançados muitas vezes recorrem a estratégias de hedge de opções complexas, como straddles e strangles, para criar posições que lucram com a volatilidade do mercado, independentemente da direção em que os preços se movem. 

Portanto, essas estratégias envolvem a compra e venda de múltiplas opções com diferentes preços de exercício e datas de vencimento, permitindo que os investidores se beneficiem de movimentos imprevisíveis do mercado. 

4. Diversificação de carteira 

Para investidores com carteiras diversificadas, o hedge de carteira é uma forma de proteger o portfólio como um todo. Isso é feito usando instrumentos financeiros que têm baixa correlação com os ativos da carteira, de modo que as perdas em um ativo possam ser compensadas pelos ganhos em outro. 

Em suma, antes de implementar qualquer estratégia de hedge avançada, é aconselhável buscar a orientação de um consultor financeiro ou especialista em investimentos. Por isso, não hesite em entrar em contato com a Acura Capital hoje mesmo e descubra como podemos ajudá-lo a navegar com confiança no mercado financeiro.